Sim, definitivamente, ele é. Sempre foi e sempre será.

Não é nada difícil de encontrar, esse “grito” se espalhou como um verdadeiro viral pela cidade. Me surpreendi logo de cara pela pontuação, a ênfase na porra. Mas por que uma frase pichada em muros e paredes me tocaria tanto desse jeito?
Entendi que essa revolta não fazia parte só do autor, é um sentimento meu, seu, nosso, do mundo –eu assim espero.
Tirei essa na Francisco Matarazzo -celular no carro, o que vale é a intenção

O verbo amar ficou muito pop Oi, agora eu sei seu nome, adorei seu cabelo e eu te amo, tá? Ele perdeu a essência, ninguém pensa mais antes de dizer. Diz e pronto. E ainda pede retribuição.

Quem sou eu pra julgar o quão uma pessoa é, ou não, amada. Só sei que o amor é direto e reto nas decisões: ele pode ser alegre, quente, bom e harmonioso ou duro, frio, cruel e iludido.
Entre amor e ódio o meio-termo é a pior alternativa de todas. A incerteza do sim e do não faz do talvez uma das piores palavras a serem ditas e, ouvidas.

Enfim, com ou sem porra, o amor é muito importante. Espalhe, de forma saudável, isso pode fazer muita diferença.

Comentários

01 Comentário | Adicione o seu

  1. Lucas Melo disse:

    demais. sempre curioso quando essas coisas acontecem, pessoas aparecem no blog. Mó legal, vou acompanhar!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *