“Leia o livro O velho e o mar imediatamente. Após alguns dias, leia-o novamente e irá verificar que nenhuma página desta bela obra-prima poderia ter sido escrita melhor ou de forma diferente”. – Cyril ConnolyO Velho e O Mar

Com sonhos, pensamentos, lutas e inabalável confiança na vida, O Velho e o Mar é uma bela lição a todos nós.

Ernest Hemingway (1899 – 1961) escreveu O Velho e o Mar em 1951 e o publicou em 1952 – último livro publicado pelo autor em vida e um dos mais conhecidos e aclamados pelo público. O romance foi qualificado para a disputa do Prêmio Nobel de Literatura de 1954, cujo Hemingway foi o vencedor.

Exercendo grande influência no estilo contemporâneo, o livro tem como característica sua simplicidade, a narrativa em terceira pessoa é clara, história curta e marcante.  Os dois personagens apresentados se completam: o velho Santiago e o garoto Manolim.

O Velho e o Mar - Ernest Hemingway

Santiago é um pescador experiente que está passando por uma maré de azar: 84 dias sem conseguir uma boa pesca. Manolim, seu aprendiz e amigo, foi proibido pelos pais de acompanhá-lo na pescaria pela falta de sorte do velho. Mas isso não foi impedimento para o garoto ser o maior incentivador e motivador de Santiago “continuar tentando”. A relação entre os dois emociona.

Dito e feito!

Depois de quase três meses de seca, Santiago está em alto-mar e se depara com o maior peixe de toda a sua vida. E esse peixe mudará a sua vida! Com seu barco simples, algumas iscas e um punhado de linha, o velho poderia realizar o feito que o orgulharia para sempre. A sorte olhava de novo para o pescador.

O peixe de tamanho descomunal (descrito maior que o barco) ofereceu resistência, lutando bravamente por sua vida. O espadarte não se entrega e arrasta o barco e Santiago, travando um duelo: peixe x velho, natureza x humano.

Ilustrações do livro O Velho e o Mar

A batalha duraria horas e Santiago sabia disso. Com toda sua experiência, o velho pescador sabia exatamente o que fazer, como se pudesse adivinhar os pensamentos do peixe gigante e, assim, sentir admiração por ele, pelo que ele representava no momento.

Santiago dialoga muito consigo mesmo, relembra a vida e outras aventuras no mar, lamenta a falta que o garoto faz ali e reflete sobre muitas coisas – reflexões estas que também dominam o leitor. Na leitura, me senti no meio do mar junto com Santiago.

Lombada do livro

“Sim, você devia ter trazido muitas coisas”, pensou. “Mas não as trouxe, velho. Agora não é momento de pensar naquilo que você não tem. Pense antes no que pode fazer com aquilo que tem.”

**Alerta de spoiler. Se você não quer saber o rumo da história, pule dois parágrafos.

O sol castigava seu corpo, a linha de pesca cortava suas mãos e suas costas, o cansaço, a falta de alimento (ele se alimentou de peixes que ali mesmo pescou), mas nada o fez desistir. Sua determinação sempre forte, mesmo com todas as dificuldades, ele sabia aonde queria chegar e o que precisava ser feito. Não só a determinação: o tempo, a sabedoria, a paciência e a experiência foram fundamentais para que Santiago vencesse o peixe.

Mas, ainda assim, os desafios não terminaram. Para um retorno à terra com seu peixe e glória, Santiago precisava lidar com inúmeros tubarões que estavam atacando o espadarte morto. O velho luta com unhas e dentes pela honra de seu peixe e por sua própria vida. Naquele momento, ele poderia enfrentar tudo e todos para alcançar seu objetivo.

Trecho do livro

Santiago sofre e volta apenas com o esqueleto do grande peixe, impressionando a todos que estavam por perto.

“(…)Eu nunca tinha sido derrotado e não sabia como era fácil. E o que me venceu?, pensou ele. – Nada – disse em voz alta. – Fui longe demais.”

Um homem pode não só superar dificuldades, como também superar a si mesmo. Acho que o livro pode ser visto como uma grande e bela metáfora. Horas boas e horas más, sorte e azar, amizade, desafios, ações e decisões, lutas diárias e aprendizado. Uma verdadeira lição para nós.

Bertrand Brasil

Vale dizer que a edição da Bertrand é ilustrada e linda. Eu tenho a última reedição (86º – 2015) com a capa minimalista e expressiva. Vale ter na estante!

Título: O Velho e o Mar
Título original: The Old Man and the Sea
Autor: Ernest Hemingway
Editora: Bertrand Brasil
Número de páginas: 124
Gênero: Romance

Compre: Submarino

Comentários

2 Comentários | Adicione o seu

  1. […] um vídeo-resenha que é mais uma dica de leitura com O Velho e o Mar. Já tem resenha dele aqui no blog […]

  2. […] comuns para descrever o último e mais conhecido romance de William March. Nas palavras de Ernest Hemingway, que se declarou um fã, o livro e “assustadoramente […]

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *