“Os pequenos detalhes são sempre os mais importantes.”
Sherlock Holmes

77 Paginas para morrer

Recebi 77 páginas Para Morrer, de Marcelo Almeida, da Editora NVersos e, logo de cara, o livro tem uma proposta interessante: é interativo. A interatividade é um verdadeiro destaque e, neste livro, o leitor tem acesso a QR Codes, áudios, imagens e depoimentos para que, juntamente com o narrador-detetive, desvende dois assassinatos.

“Uma pistola pendurada em um fio telefônico.
Referências aos cartazes de clássicos filmes de suspense, como as fitas de Hitchcock.
O romance-policial, escrito pelo paulistano Marcelo Almeida,
convida o leitor a ser participante ativo da história
e o coloca na narrativa de maneira interativa.”

O mais legal é que os dois assassinatos estão relacionados a um grande livro da literatura nacional, que eu não vou dizer qual é para não estragar a surpresa. Mas adianto que, para quem leu, vai ficar fácil adivinhar qual é a obra clássica a partir dos nomes dos personagens.

A Ratoeira

Dentro do livro

Resenha: A Ratoeira, o mais novo escritório de investigação particular da cidade, tem um novo e intrigante caso: o assassinato de duas pessoas que, aparentemente, estão ligadas a uma frase reveladora de um livro conhecido por muitos, lido por poucos. O caso levará um detetive nada sagaz, formado por cursos a distância, e uma cartomante enrolada, ávida por dinheiro, a recorrerem à única pessoa que pode – e deve – ajudá-los a desvendar o mistério por trás dos assassinatos: você, caro Leitor, que, munido de sua inteligência, bagagem literária, um celular ou computador, pode descobrir toda a verdade antes da 77ª página… Senão… (NVERSOS)

O autor Marcelo Almeida nos traz uma linguagem rápida e direta, o que é ótimo em uma trama policial. O livro 77 páginas Para Morrer é narrado em primeira pessoa e o narrador interage o tempo todo com o leitor. Durante a investigação, quem está lendo é apresentado a todos os personagens do livro pelo próprio protagonista da história como seu assistente.

Em 77 Páginas Para Morrer, o leitor pode adivinhar as pistas
antes do detetive principal!

“Quem, como, onde, por quê?” – as perguntas estão presentes na leitura e dão possibilidade ao leitor de respondê-las antes mesmo do detetive-narrador.

Em determinado momento da leitura, através de um QR Code, somos surpreendidos com um áudio que pode ser acompanhado por uma parte feita em formato de história em quadrinho dentro do livro.

Páginas em HQ

Após as tais 77 páginas e uma morte, SERÁ?, temos uma “carta ao leitor” escrita pelo narrador com toda a resolução do caso anteriormente exposto.

“O objetivo é criar uma história com elementos retirados de um livro importante da nossa literatura, de forma que o leitor possa dialogar com ambos os textos. A leitura desse livro não é um fim, mas um meio onde, com o apoio de recursos interativos e de imagem e som, leva-se o leitor a estabelecer ligações e comparações com determinada obra clássica, estimulando-o de forma proposital a comparar ambas.”, explica o autor.

Livro 77 Páginas para morrer

Sobre o autor

Marcelo Almeida do Nascimento cresceu lendo. Proibido de brincar na infância por problemas de saúde, acabou gastando suas mesadas em gibis e livros usados da Agatha Christie, cuja influência o fez adorar o gênero policial. Graduou-se em Letras pela Universidade de São Paulo e decidiu, então, criar os seus próprios mistérios. Entre contos, peças de teatro de jogos de tabuleiro, já escreveu Os Ladrões do Brás e Clube das Carências Afetivas.

Título: 77 Páginas Para Morrer
Autor: Marcelo Almeida
Editora: N Versos
Número de páginas: 127
Gênero: Policial

COMPRAR 77 PÁGINAS PARA MORRER
Submarino | Livraria Cultura

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *