Arquivo do Autor

Deveria. Deveria mesmo! Neste vídeo, selecionei 5 HQs do Alan Moore que eu acho que você deveria ler. São apenas dicas de leituras e um pouco da minha opinião sobre cada uma. Alan Moore (Inglaterra, 18 de novembro de 1953) é escritor, romancista, contista, roteirista, músico, cartunista, gênio, mago, maravilhoso! Entre alguns de seus trabalhos, destacam-se: Watchmen, V for Vendetta, From Hell, The League of Extraordinary, Swamp Thing, Miracleman e Supremo. Eu, assumidamente, “pago pau pro Alan Moore”. Pra mim, ele explora a psicologia dos personagens como ninguém. Saiba qual é a minha HQ favorita, quais são os meus personagens Continue lendo

Um livro que se auto-recomenda. Eu realmente não precisava dizer nada sobre ele, o título e o autor já dizem por si mesmos, mas como conselho é bom e a gente gosta, vamo lá: Arthur Schopenhauer (1788-1860) é um dos mais importantes filósofos alemães. Ele achava que o mundo nada mais era do que uma representação formada pelo indivíduo e influenciou grandes nomes como Freud, Nietzsche, Bergson, Einstein (!!!), entre outros. Conhecido por seu pessimismo, tinha idealismo kantiano e foi o responsável por introduzir o budismo à metafísica alemã. Fiz um vídeo bate-papo sobre o livro apontando os pontos principais de Continue lendo

Chamaram-me de covarde Desde o dia em que parti Disseram que a solução Para os fracos É sempre fugir Correr desenfreado Sem despedidas Alguns impulsos no bolso E um coração quebrado Chamaram-me de covarde Desde o dia em que parti Julgaram minha índole Como se houvesse outra escolha Fiz o que pude, até um pouco mais Mesmo atado E ainda assim Não hesitaram Meu caráter foi contestado Chamaram-me de covarde Desde o dia em que parti Debocharam de minha atitude Mas eu não volto atrás Não que eu possa Está acabado Observo tudo de longe Quem sabe um dia os encontro Provavelmente em outro estado Chamaram-me Continue lendo

Você que nunca leu Tubarão, você que viu apenas o filme, posso vê-lo franzir a sobrancelha, posso ouvi-lo dizer para si mesmo: “Romance? Máfia? Do que ele está falando? Onde está tudo isso?”  Leia, por favor, e descubra por contra própria. Peter Benchley (2005) – Introdução do livro Baseando-me no filme, eu me perguntava como seria um livro cujo protagonista é um peixe com barbatanas e uma bocarra cheia de dentes afiados? Como seria a leitura de páginas e páginas desse terror no mar? A melhor forma de se evitar um tubarão é não entrando no mar, não é mesmo? edição Continue lendo

Pensamentos ruins têm me rondado Não há nada que eu possa fazer Ou mesmo queira Eles me ajudam a segurar este fado Lamento o meu estado Sinto o tempo passar Ponteiros giram como Um velocímetro descompensado De olho fechados, bem fechados Agraciados Coitados Pouco ansiados, nada ansiados Meu calendário é um confuso emaranhado Não sei que dia é hoje Melhor assim Estou tão cansado Desnorteado Ainda não me encontrei E sei que não irei Não é por malgrado Prestes a cometer um dito pecado Caio, afundo feito uma âncora Pra baixo e sempre Focado Até o fim O que for Continue lendo

Desde criança, eu sempre gostei de livros de colorir, artesanatos, trabalhos manuais, etc. Essa tendência dos livros de colorir para adultos faz uns torcerem o nariz e outros se jogarem em caixas de lápis de cor com 72 cores. A L&PM Editores me enviou O Livro Anti-Insônia em parceria aqui com o blog e eu me apaixonei pelos desenhos. Já havia visto no catálogo deles e me interessado pelo nome. Olha só:

A frase que eu mais defendo: gosto é gosto! Se gosta, bem, se não, tudo bem também. Técnica infalível, inteligente e MUITO ADULTA para se livrar de gente chata. Meu jeitinho de lidar com as coisas. Se você gostou do vídeo, dá um like para ajudar na divulgação e se inscreve no canal também ♥

Aos que não sabem, é de praxe nos grandes hospitais fazer a identificação dos pacientes internados através de pulseiras coloridas. Não tão coloridas nem tão pouco felizes. A cor delas simboliza o estado de saúde de cada pessoa. As pulseiras verdes, por exemplo, são para os casos de menor gravidade. As amarelas são para os precisam de certa atenção. Já as vermelhas são usadas para emergências. Mas há outra pulseira menos conhecida por todos… A pulseira preta, a cor destinada aos cadáveres. Numa noite gélida da semana passada, diga-se de passagem mais escura do que todas as outras, um renomado neurocirurgião Continue lendo