Author Archives: Adriana

Café com gosto de cigarro

Para ler ouvindo I Started a Joke Às vezes sinto falta e não sei ao certo do quê. É tipo uma saudade daquilo que nunca se teve, uma lembrança do mistério, uma ausência do desconhecido. “Que papo de gente louca”, … Continue reading

Posted in Textos | Tagged , , , , , | 3 Comments

Suculenta

Tenho ossos e veias evidentes Olheiras arroxeadas em toda volta Um olhar amanhecendo atordoado Anoiteço contra o sol Sei de tudo o que acontece Pingos caem da chuva Carros colidem na rua Malandros surrupiam as carteiras Homens pagam por putas … Continue reading

Posted in Textos | Tagged , , , | Leave a comment

Dúbio Vício

Depois de postar o link com o poema Vício, tive uma surpresa, um leitor me enviou um poema-resposta, um dúbio que eu precisava espelhar e compartilhar aqui também. Por Gabriel Lima

Posted in Textos | Leave a comment

Vício

  Não chega tão perto Que eu fico confusa Já não sei se é certo O jeito que me usa Eu vou te contar Contar o que sonhei Noite passada me faltou o ar De tanto que gritei Veio como … Continue reading

Posted in Textos | Tagged , , , , | 3 Comments

Citações interessantes sobre “escrever”

Gosta de ler, gosta de escrever? Aqui algumas citações de autores, poetas e jornalistas sobre a arte: 1) “Se escrever parece difícil, é porque realmente é difícil. É uma das coisas mais difíceis que as pessoas fazem”. William Zinsser 2) … Continue reading

Posted in Livros | Tagged , , | Leave a comment

Escrever, apesar de

Sabe, sou do tipo de valoriza e coleciona canetas de ponta fina. Como costumo dizer, escrevo pra me libertar, porque terapia custa caro. E muito! Escrever sempre foi a minha válvula de escape. Pratico desde que ganhei meu primeiro bloquinho, … Continue reading

Posted in Textos | Tagged , , , | Leave a comment

Tudo vai passar

Mas me diga, seu moço Há de se lembrar Que hoje temos um encontro E como prometido Virá me buscar Volta aqui, seu moço Não adianta assim se apressar Que o mundo é uma correria Daqui a pouco é meia … Continue reading

Posted in Textos | Tagged , , | 2 Comments

Página 81

Deitei, eram 22h10. Peguei o livro no criado-mudo, o marcador não estava nem perto da metade. Abro, página 81: “Florence entrou na sala de jantar: – Boa noite – disse (…)” Boa noite. As letras começam a se distanciar, as … Continue reading

Posted in Textos | Tagged , , , | Leave a comment