Meu amor, Hoje eu te trocaria até por um doce Daqueles tão melados que doem o dente Tira o seu sono É gangue Meu amor, Hoje eu te trocaria até por um filme Daqueles com facada, veneno e Hitchcock Mata o seu amor É sangue Adriana Cecchi

24.05.2012

Para ouvir: Patience Não sei de onde você veio, mas fica Entra Pode deixar as malas ali no canto Não precisa abri-las por enquanto Vem, senta Pega uma almofada Tira os sapatos Fica à vontade Conte como foi o seu dia, como foi o seu caminho até aqui Eu vou fazer um café pra gente Daqueles bem fortes e com pouco açúcar É bom pro frio Espero que goste Comente como está a temperatura lá fora e reclame do que estiver passando na TV Vamos conversar sobre qualquer outra banalidade Até que não reste nenhuma gota em nossas xícaras Nem Continue lendo

Enfiou um grosso caco de vidro na mão. Não sabe de onde surgiu. Não sabe como fez. Grande habilidade com o artesanato não foi, creio eu. Arrancou o pedaço com um pano enquanto rangia os dentes numa expressão de total desespero. Pareceu ter doído, realmente. Enfim, saiu. Para o alívio dele e também para o meu. Não queria saber de mais nada diante daquela dor latente que inchava e pulsava em sua palma, por seus dedos e que chegava até a ponta de seu cotovelo. — Tá doendo. — Eu imagino. — Imagina nada. — Já fiz coisa pior, acredite, Continue lendo

24.04.2012

A música traz de volta o gosto da tristeza Daquele momento que se viveu Do que deixou de ser vivido No âmbito da dor Retorna e vai, revira e volta Não mais Apenas lembranças De um tempo que se foi Junto com a música que o trouxe Longe Sem delonga Sem saudade Adriana Cecchi

06.04.2012

Prefiro assim Não saber nem sentir Aquilo que os olhos não podem ver Renuncio Privo, crio Engano, lamento Choro, penso e sorrio Renuncio O coração não sente Mas sabe, óbvio Luto contra ele Renuncio Adriana Cecchi

05.02.2012

Para ouvir: Domingo Deitada, escuridão total. Coloquei o braço pra trás e busquei por alguém. Desejei encontrar outra mão além da minha. Desejei encontrar um braço que envolvesse minha cintura, um beijo no ombro seguido de um boa noite baixinho ao pé do ouvido. Desejos, apenas isso. Estenderam-se por meus sonhos e penduraram por horas e mais horas além do normal. Sabe, existem dias que são feitos para a saudade. São propícios para senti-la. São os dias de saudade, hoje, pra mim, é um deles. Desde a hora que você acorda e enrola na cama com preguiça de levantar, até Continue lendo

A — Oi. B — Oi. A — O que você tá fazendo aqui? B — Não sei… A — Você tem que saber. Deveria saber. B — … A — O que você quer? B — Você. A — Agora? E você acha que é assim? B — Não, eu não acho. Eu nem sei o que eu acho, eu sei lá. A — Você me confunde demais, sério. B — E eu me confundo também. A — Você não sabe o que quer. B — Eu, eu… A — Aliás, você sabe sim, você sabe o que não Continue lendo

Fechei os olhos e me vi ao seu lado. Estávamos deitados na sua cama, despretensiosamente, assistindo TV. Você mexia nos meu cabelos e eu, com a cabeça no seu ombro, alisava o seu peito enquanto contava como tinha sido o meu dia. Você ouvia e contava o seu também. E eu ouvia. Nossos pés juntos. Nossas pernas cruzadas. Nossas mãos dadas. Nossos dedos entrelaçados. Éramos um. Somente um nós éramos. Eu ria das bobagens que você falava e das piadas com nome de outras pessoas que você fazia. Você ria de como eu ria. Descia levemente o dedo no meu Continue lendo

Hoje comecei o dia disposta a não pensar no dia de hoje. Hoje, hoje. Eu tenho uma coisa com números, sabe. Eu gravo datas, guardo todas num baú fundo e escondido, pra não encontrar, e, caso eu o encontre, pra não alcançar as lembranças que lá estão. Mas não é sempre que eu consigo. Infelizmente. O baú me surgiu hoje, idiotamente ele surgiu. Eu fechei os olhos por um instante e ele me fez reviver tudo àquilo que, em vão, eu tentei esconder. Dias ímpares passam. Dias pares passam. Dias e dias passam. E eu aqui. Aqui estou eu mais Continue lendo

Era um tempo Àquelas rosas azuis Céu cor de rosa O cheiro do vento Suas cartas cantadas E seus sorrisos falados Os minutos fizeram-se eternos Ah, tudo tem seu tempo Agora você me pede pra ficar Seus olhos me pedem para esperar Aonde tudo isso vai dar? Eu já decidi, vou esperar De um jeito ou de outro Porque eu sei que é assim Tanto pra você quanto pra mim Mas eu também peço Que não se demore muito Afinal, a gente não sabe ao certo Quanto tempo ainda tem Adriana Cecchi