Quero escutar tuas coxas, queimar minha orelha nelas Me aproximo e penso em te pedir um abraço E então, com os olhos Apenas com os olhos, entro nos teus olhos coloridos em verde Lá embaixo, os pés. As meias atrapalham Os pés se viram até ficarem nus e dançarem no ar Esse mesmo ar que você respira Que sai da tua boca e vem pra minha Inspira Quero deitar na tua fala quando você fala Este medo que agora sinto Vem das tuas curvas tão leves e tão brancas Observo o consentimento e encosto minha mão Apertas os lábios e, Continue lendo

23.04.2013

Não quero um pronome pra te nomear Quero apenas que goste de estar por perto sem hora pra voltar Não quero usar uma palavra pra te classificar Quero apenas mordidas descompromissadas no pescoço que me causem falta de ar Não quero que me mande flores Quero apenas que seus dedos se enrosquem em cada fio de cabelo meu e depois os puxe sem muitos amores Não quero que me dê satisfações ou me explique porque não veio da outra vez Quero apenas sua mão na minha cintura e um suspiro ao pé do ouvido sem nenhuma polidez Não quero que Continue lendo

Tomou uma ducha bem fria e deitou. Sabia que dormiria pensando nela. Nas palavras, nos toques e nos suspiros que não aconteceram. Desejou com todas as forças que ela estivesse ali ao seu lado. Ele tentaria perguntar por que ela não apareceu antes em sua vida, mas ela o calaria colocando um dedo levemente em sua boca e depois ela daria um sorriso de lado com os olhos cerrados, como se aquilo não importasse mais agora. E então seu olhar imploraria por um beijo dela. Um carinho. Um menor afago. Sentiria o perfume daqueles longos e cacheados cabelos escuros como Continue lendo

Acordei achando que era verdade Alucinei Tudo aquilo que vivera no meu sonho Eu havia transformado em realidade Fantasiada fantasia Ou fantasia fantasiada Tanto faz A minha própria dimensão Não a terceira nem a quarta, a minha Era o que eu fazia Esqueci meus óculos durante o sono A vista embaçou Mas o irreal ainda parecia normal Levantei num pulo Caí da cama Bati a cabeça Molhei o colchão Adriana Cecchi

24.05.2012

Para ouvir: Patience Não sei de onde você veio, mas fica Entra Pode deixar as malas ali no canto Não precisa abri-las por enquanto Vem, senta Pega uma almofada Tira os sapatos Fica à vontade Conte como foi o seu dia, como foi o seu caminho até aqui Eu vou fazer um café pra gente Daqueles bem fortes e com pouco açúcar É bom pro frio Espero que goste Comente como está a temperatura lá fora e reclame do que estiver passando na TV Vamos conversar sobre qualquer outra banalidade Até que não reste nenhuma gota em nossas xícaras Nem Continue lendo

05.02.2012

Para ouvir: Domingo Deitada, escuridão total. Coloquei o braço pra trás e busquei por alguém. Desejei encontrar outra mão além da minha. Desejei encontrar um braço que envolvesse minha cintura, um beijo no ombro seguido de um boa noite baixinho ao pé do ouvido. Desejos, apenas isso. Estenderam-se por meus sonhos e penduraram por horas e mais horas além do normal. Sabe, existem dias que são feitos para a saudade. São propícios para senti-la. São os dias de saudade, hoje, pra mim, é um deles. Desde a hora que você acorda e enrola na cama com preguiça de levantar, até Continue lendo