gosto da noite de encará-la sentir e cheirar o escuro é como se eu tentasse me encontrar não saber onde é o começo onde é o fim pela janela nada vejo nem irei ou poderei vovó bem dizia “se quiser ver uma coisa, terá que ver tudo” nunca me esqueci passa o tempo e ainda lembro só não descobri de quem é esse par de olhos amarelos que insiste em me engolir todas as noites antes de dormir

Às vezes, o que a gente precisa é andar sem rumo pela noite, com passos descompassados sob a luz do luar e uma boa música pra botar as ideias no lugar.

Tomou uma ducha bem fria e deitou. Sabia que dormiria pensando nela. Nas palavras, nos toques e nos suspiros que não aconteceram. Desejou com todas as forças que ela estivesse ali ao seu lado. Ele tentaria perguntar por que ela não apareceu antes em sua vida, mas ela o calaria colocando um dedo levemente em sua boca e depois ela daria um sorriso de lado com os olhos cerrados, como se aquilo não importasse mais agora. E então seu olhar imploraria por um beijo dela. Um carinho. Um menor afago. Sentiria o perfume daqueles longos e cacheados cabelos escuros como Continue lendo

Despertou no meio da noite, como de costume, com a boca seca. Eram 03h17. Tateou o criado-mudo na cabeceira à direita da cama, passou a mão pelo livro de centenas de páginas amareladas e capa de couro vinho que não conseguia terminar e encontrou o que buscava: água. Todos os dias deixava religiosamente um copo largo e comprido de água ao seu lado, como se precisasse disso para dormir com tranquilidade. Sentou-se na cama, não enxergava um palmo a sua frente, mas não fazia questão de luz, aliás, só dormia se a escuridão fosse total. Deu três curtos goles, ainda Continue lendo

05.08.2011

Sexta-feira, noite fria. Ela estava ali, sozinha no enorme sofá recostada em algumas almofadas atrás de sua cabeça. Havia uma luz que iluminava o seu rosto. Era a TV com o filme chato. Chato e que ela já tinha assistido. Não importava. O filme era uma distração pro momento. Era pra se livrar daquele momento. Tudo parecia vazio; vazio e estranho, e calmo demais, e… Ela não queria estar ali, mas não tinha pra onde ir. O filme era a sua fuga mais próxima. O sono chega. As pálpebras pesam. O pescoço tomba. O telefone toca. Num susto, meio zonza Continue lendo