“Milhões de criaturas espirituais andam na Terra Invisíveis, tanto quanto estamos acordados, como quando dormimos.” – John Milton, livro Paraíso Perdido A começar com uma epígrafe destas, eu já sabia o que esperar de O Demonologista. Um thriller cheio de suspense, boas referências e a sutileza sobre o mal poder estar em todos os lugares, em todos os momentos… Ei, cuidado aí atrás de você. Vencedor do prêmio de Melhor Romance do International Thriller Writers Award (2014), O Demonologista foi o primeiro livro do autor Andrew Pyper a chegar ao Brasil e, para a nossa alegria, nas mãos da editora Darkside Books com uma Continue lendo

“Leia o livro O velho e o mar imediatamente. Após alguns dias, leia-o novamente e irá verificar que nenhuma página desta bela obra-prima poderia ter sido escrita melhor ou de forma diferente”. – Cyril Connoly Com sonhos, pensamentos, lutas e inabalável confiança na vida, O Velho e o Mar é uma bela lição a todos nós. Ernest Hemingway (1899 – 1961) escreveu O Velho e o Mar em 1951 e o publicou em 1952 – último livro publicado pelo autor em vida e um dos mais conhecidos e aclamados pelo público. O romance foi qualificado para a disputa do Prêmio Nobel de Literatura de Continue lendo

Ilha do Medo ficou bastante conhecido no Brasil após o lançamento do filme homônimo de Martin Scorcese em 2010, o livro – originalmente publicado como Paciente 67 – é de Dennis Lehane e um monstro da literatura policial. Já digo que é um dos meus livros favoritos do gênero e eu li depois de ter visto o filme, ou seja, a história é tão boa que não estraga mesmo sabendo o final. Ilha do Medo é um suspense psicológico excelentemente bem construído. O tema principal é a loucura, além da paronoia e investigação. “…devemos sonhar os nossos sonhos e vivê-los Continue lendo

Você provavelmente já deve ter assistido ou pelo menos ouvido falar sobre o filme O Exorcista, certo? Mas e a obra original, o livro que deu origem ao grande clássico do cinema, você conhece? Vi o filme antes de ler o livro e posso dizer que ele basicamente formou meu gosto pelo terror. Assisti bem novinha, acho que com 8 ou 9 anos, e desde então nunca mais larguei o gênero. Quatro décadas após chocar o mundo inteiro, a obra-prima de terror de William Peter Blatty permanece uma metáfora moderna do combate entre a fé e o profano na forma Continue lendo